Rodovias brasileiras e o desafio da logística

O Brasil é um país de extensão continental, tem a 5ª maior área territorial do mundo.

Mesmo com dimensões como essas, tendo uma costa marítima grande e uma bacia hidrográfica bastante vasta, o país tem a maior parte de circulação de mercadorias via terrestre, na chamada malha rodoviária.

Mais de 60% do transporte logístico no país é feito através das rodovias, sejam elas estaduais ou federais.

O rodoviarismo começou no Brasil mais fortemente em 1920 com a visão política de que dando ênfase a essa modalidade de transportes atrairíamos empresas automobilísticas internacionais e seus fornecedores para o país, fortificando assim a nossa economia.

Essa visão funcionou durante bastante tempo, mas atualmente a falta de infraestrutura, o investimento menor do que o necessário, a falta de licenciamento ambiental, a manutenção escassa e muitas vezes o mau-uso das rodovias traz grandes problemas, não apenas para os usuários comuns e seus carros de passeio, mas também para empresas de transportes que usa esse meio para concluir suas atividades.

O Brasil perde bilhões de dólares anualmente com custos logísticos em função de problemas que vão desde a elevada burocracia até a limitada infraestrutura de estradas nacionais.

Entre caminhões e ônibus estima-se que a frota nacional seja de 40 milhões de veículos.

Considerada a principal rodovia totalmente pavimentada, a BR 116 corta o país, passando por 10 estados e vai do litoral do nordeste brasileiro até fronteira do Uruguai.

O pior trecho fica entre Natividade (To) a Barreira (Ba), já a melhor parte da estrada é a que liga São Paulo a Limeira (SP).

O estado de São Paulo é visto como o que tem as melhores rodovias, porém paga um preço alto por isso, pois grande parte de suas estradas possuem pedágios de valor alto para os usuários.

Segundo pesquisa realizada pelo CNT (Confederação Nacional de Transportes), 61,8% das rodovias do Brasil estão em condições regulares, ruins ou péssimas, e apenas 12% da malha rodoviária total do país, de 1.735 milhões de quilômetros, são pavimentadas, sendo a maior parte das estradas sem pavimentação no norte e nordeste do país.

O Plano CNT de Transporte e Logística aponta que seriam necessários R$ 293,8 bilhões de investimentos na infraestrutura rodoviária para adequá-la à demanda nacional.   


O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), disponibiliza em seu site a condição das rodovias nacionais, como informações de trecho com obras e outras possíveis modificações na rodovia, as concessionárias também deixam em seus sites as  atualizações das rodovias sob sua concessão e os trechos que estão com alguma ação ou em mal estado, aplicativos de trânsito com GPS também informam quase que em tempo real a condição das rodovias.

Um dos grandes desafios da logística atual e do gestor de frotas é alinhar a realidade nas rodovias brasileiras com suas operações e para isso ter conhecimento sobre a malha rodoviária é essencial.

Isso faz com que o gestor de frota otimize suas rotas e possa adequar a sua operação, considerando que muitas situações nas estradas podem interferir no valor e qualidade do seu produto ou serviço final.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

20 + dois =

Menu