Exame toxicológico para motoristas profissionais.

Junto com a atualização da Lei do motorista Lei n° 13.103/2015, vieram novas regras e atualização para regulamentar a rotina de trabalhos da categoria, dentre os pontos está a obrigatoriedade do exame toxicológico para condutores profissionais de categoria C, D e E.

Este se tornou um dos temas mais polêmicos da lei em questão.

Previsto no artigo 148-A do Código de Trânsito Brasileiro, foi incluído pela Lei 13.103/15 e visa detectar, numa janela de 90 dias retroativos à data do exame, o consumo de substancia ilícitas como: anfetaminas, maconha, cocaína, opiláceos (como a morfina e a heroína, por exemplo) e “ecstasy” conforme anexo da Portaria 116 do Ministério do Trabalho

Esses exames são realizados em PLCs (Postos de Coleta Laboratorial) autorizados pelo Detran e o empregador precisa informar os dados desse exame via CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Esse exame é obrigatório em 5 momentos, são eles:

  • Quando estiver em processo de habilitação de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) para as categorias C, D e E;
  • Quando houver passado metade do tempo da validade do CNH;
  • Quando renovar a CNH;
  • Quando o motorista profissional for admitido da empresa;
  • Quando o motorista profissional for desligado do seu trabalho atual.

O condutor profissional não precisa de nenhuma preparação específica para essa realização pois, o exame é feito através da coleta de pelos, cabelos ou unha sendo totalmente indolor.

O exame buscará na amostra do condutor profissional indícios de drogas ilícitas (em 5 níveis, desde leve até gravíssimo) que possam prejudicar diretamente a capacidade de conduzir do condutor pondo em risco o mesmo e os demais usuários de ruas e rodovias.

Importante frisar que bebida alcoólica e anabolizantes não são fatores que podem reprovar o indivíduo nesse teste, mesmo influenciando diretamente sua capacidade de dirigir.

No caso de reprovação ou não realização do exame o condutor será proibido de dirigir por um período de 3 meses, depois deste período, o motorista pode realizar um novo exame, e se neste novo exame, o resultado der negativo para substâncias químicas, o motorista tem o direito de dirigir concedido novamente.

Sendo reprovado no exame toxicológico, o condutor profissional tem o direito à contraprova ou a um recurso administrativo para reavaliar o resultado do teste realizado.

Caso o motorista não faça o exame, a transportadora onde ele é colaborador é automaticamente multada. O valor pode variar de acordo com o tempo de atraso no envio dessas informações através do CAGED.

Por isso é importante o RH e o gestor de frotas estar atento a essa situação, para não ter maiores problemas com seus motoristas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

20 − um =

Menu