Como são calculados os pedágios brasileiros?

Certamente, você já passou por uma praça de pedágio e provavelmente já se perguntou como é calculado o valor cobrado dos pedágios.

Profissionais que rodam as estradas brasileiras ou simples motoristas, têm as praças de pedágio como uma despesa certa. Esse item onera diretamente as viagens e fretes realizados, não tem como evitar.

A cobrança do pedágio, em princípio, serve para que a concessionária que administra a estrada, ou um trecho dela, cuide da conservação da malha viária e de seu entorno, garantindo a segurança no trânsito dos usuários que por ela trafegam.

Os contratos de concessão das rodovias têm duração de 10, 15 ou até 20 anos.

De acordo com a ARTESP (Agência de Transportes do Estado de São Paulo) o cálculo das tarifas de pedágio é feito utilizando o conceito de tarifa quilométrica, que corresponde a um valor fixo por quilômetro multiplicado pelo trecho de cobertura da praça, e que varia em função da categoria das rodovias e dos tipos de veículos.

O cálculo divide as rodovias em três categorias: sistema rodoviário (rodovias paralelas, ambas com pista dupla, canteiro ou barreira central), estradas de pista dupla (com canteiro central, barreira física ou visual) e estradas de pista simples (uma faixa por sentido).

A presença de vários pedágios em uma mesma rodovia não implica aumento do valor a ser pago, mas sim no fracionamento do valor total.

Importante salientar que o número de eixos do veículo influencia diretamente na tarifa cobrada.

Alguns sites, como o da Artesp, permitem que seja realizada pesquisa sobre o valor das tarifas de pedágio em cada rodovia brasileira. Outros sites ajudam também a traçar a rota a ser executada, verificar o consumo estimado de combustível e valor a ser pago na viagem nos pedágios.

É possível também se aderir a sistemas de pagamento de pedágio diferenciados:

  • Pagamento eletrônico de pedágio: É pago de forma pré ou pós paga via boleto ou débito automático e as informações são transferidas através de um tag instalado no veículo.
  • De forma ponto a ponto: É pago de acordo com o trecho percorrido da rodovia pelo usuário, e as informações são transferidas através de um tag instalado no veículo.

Veículos oficiais de governo, bombeiros, ambulâncias, polícia militar e rodoviária não pagam pedágio, a fim de agilizar o trajeto para realizar atendimento ou ocorrência.

Veja as praças de pedágio brasileiras que cobram os maiores valores:

1 – Sistema Anchieta-Imigrantes

As rodovias Anchieta e Imigrantes tem o pedágio mais caro do Brasil. Para cada 100km rodados, o valor é superior a R$ 33,00.

2 – Castello Branco e Raposo Tavares

Administradas pela Viaoeste, estas rodovias têm valor superior a R$ 23,00 para cada 100km.

3 – Rodovia das Colinas

Ligando cidades importantes do interior paulista, como Jundiaí e Sorocaba, esse trecho tem valor superior a R$ 17,00 para cada 100km.

Essas informações são de extrema importância para um bom trabalho do gestor de frotas, pois os valores interferem diretamente nas suas operações.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre os pedágios brasileiros, aproveite para conhecer também nossas soluções em economia de combustível para frotas de veículos. 

A DXtech oferece recursos especialmente desenvolvidos para ajudar a sua empresa a reduzir custos e a aumentar a sua eficiência, gerando maior lucratividade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

5 + dezenove =

Menu