Como calcular a depreciação da frota de veículos?

Se você acompanha o nosso blog, certamente já sabe a importância de manter a qualidade na manutenção da frota de veículos e como esse fator influencia nos custos da empresa.

Cuidando das manutenções e garantindo que as revisões sejam realizadas nos períodos adequados é possível reduzir gastos e evitar atrasos nas operações.

Porém, existe outro fator que também tem grande importância, que é a depreciação da frota. Mas como os impactos somente podem ser sentidos em longo prazo, frequentemente os gestores se esquecem de considerar.

O que é depreciação de veículos?

Depreciação significa desvalorização.

Os veículos, assim como qualquer outro equipamento, sofrem desgastes ao longo do tempo. As manutenções frequentes ajudam a retardar esses efeitos e permitem que os veículos continuem funcionando bem.

Mas com o passar do tempo, a frequência de manutenções e revisões precisa ser maior por causa do desgaste acentuado do veículo, e assim as despesas aumentam.

Após certo tempo o alto custo com esse veículo torna a sua utilização inviável e por isso é preciso trocá-lo. Porém, o valor de venda desse veículo será menor do que o que foi pago na compra e, além disso, o valor de um novo veículo também deverá ter aumentado com o passar dos anos.

A empresa precisa ter uma reserva para utilizar na compra do novo veículo para evitar o endividamento ou até mesmo a perda da frota. Não considerar esse fator pode colocar em risco o planejamento de crescimento da empresa.   

Para evitar isso, o valor cobrado pelo serviço ou produto deve considerar todos os fatores, inclusive o de depreciação do veículo, que precisa ser reservado.

Como calcular a depreciação do veículo?

Existem duas maneiras básicas de calcular a depreciação de veículos. É importante conhece-las para definir qual será a melhor para cada situação.

  1. Cálculo Contábil

O cálculo contábil é realizado de acordo com as normas contábeis e as regras definidas pela Receita Federal. O contador que realiza a escrituração da empresa já faz esse calculo para fins de tributação.

Nesse modelo a Receita Federal já estabeleceu quanto os seus veículos depreciarão a cada ano, por quantos anos e quanto terá de valor residual. As regras são as seguintes:

Tratores e caminhões fora-de-estrada

  • Taxa de depreciação de veículos de carga: 25% ao ano;
  • Prazo de depreciação de veículos de carga: 4 anos;

Veículos de passageiros e veículos de carga

  • Taxa de depreciação de veículos de carga: 20% ao ano;
  • Prazo de depreciação de veículos de carga: 5 anos;

Motociclos

  • Taxa de depreciação de veículos de carga: 25% ao ano;
  • Prazo de depreciação de veículos de carga: 4 anos;

Nesse cálculo existe um valor residual previamente estabelecido, que é o valor que o veículo será contabilizado no final do período.

Fazendo esses cálculos é possível chegar ao valor mensal de depreciação do veículo, que deve ser reservado mensalmente pela empresa para manutenções e para a troca por um novo após um período de tempo.

É comum que o valor encontrado nesse cálculo seja alto já que o prazo estipulado é pequeno e a taxa de depreciação anual seja elevada. Além disso, ele considera o valor de valorização do veículo novo também.

Além disso, na prática, esses números não são realistas. A frota brasileira tem idade média de 9,6 anos entre as empresas e de 17,6 anos entre caminhoneiros autônomos, apesar de esse tempo ser muito elevado tornando-se um risco nas estradas. Por isso, muitas empresas preferem utilizar o outro modelo de cálculo.

  1. Cálculo gerencial

O cálculo gerencial é mais fácil de fazer e também de ser colocado em prática. Para esse cálculo será preciso saber as seguintes informações:

  • Valor pago pelo veículo
  • Prazo que pretende utilizá-lo
  • Valor que o veículo será vendido

As duas primeiras informações são relativamente fáceis de conseguir, já a terceira será preciso fazer uma estimativa e para isso pode ser utilizada a tabela FIPE, consultando o valor do veículo com a quantidade de anos igual ao prazo que pretende utilizar o seu. 

Para calcular é preciso subtrair o valor da venda do valor de compra. O resultado deverá ser dividido pela quantidade de meses que o veículo será utilizado. O resultado final será o valor mensal de depreciação, que deverá ser reservado todos os meses para a futura troca do veículo.

Para efeito de cálculo é possível trabalhar com uma média entre:

  • 8 e 10 anos para veículos pesados
  • 7 e 9 anos para veículos semipesados
  • 5 e 7 anos para veículos leves

Essa provavelmente seja a razão de muitas empresas terem uma frota sucateada e não terem condições de trocá-la.

Por mais difícil que seja, é importante considerar os custos de depreciação de frota no preço final cobrado dos clientes. 

E se você quer ainda mais economia, conheça os produtos exclusivos da DXtech para gestão de líquidos. Controle e economia de combustível fácil e prática para sua empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

4 × três =

Menu